Browse By

Yara Lua: Das dificuldades de um jovem designer às vendas em Paris

Yara Lua, estilista da DETLEV, conversou com o À La Brutus sobre as dificuldades do mercado de moda brasileiro para os novos designers, suas principais influências e o sucesso da marca na Sable Chaud, loja cool de Paris focada em novos criadores
 
Por Thiago Alves
 
Mesmo com pouco tempo de estrada, a DETLEV, marca brasileira focada no público masculino, vem ganhando o coração do público, e não apenas do brasileiro, mas também está tomando as ruas de Paris. “O homem da marca DETLEV é um homem jovem, criativo, que gosta de design, arte, ligado à tecnologia e está sempre em busca de novidades”, resumiu a fundadora e estilista da marca, Yara Lua.
 
Você já deve ter ouvido o nome DETLEV por aí! Principalmente se você é ligado na cultura underground. Para quem não se lembra, Detlev é o nome do namorado de Christiane F., no best-seller que marcou uma geração e toda a sua cultura. “O nome surgiu ainda na época da faculdade, enquanto procurava um nome para a minha marca criada no TCC, e queria um ‘nome próprio’ masculino, que fosse forte”, comentou. 
 
Campanha
 
“Nesse meio tempo assisti filme ‘Eu, Christiane F., 13 Anos, Drogada e Prostituída’, que se passa em Berlim na década de 80, onde o personagem Detlev é o namorado da personagem principal Christiane F.. Esse filme marcou minha adolescência e sempre me chocou muito, porém eu gostava muito da trilha sonora do filme que é toda do David Bowie”, explico Yara. “O nome surgiu daí, mas não ligo o filme às minhas inspirações para as roupas, apenas a aura dos anos 80 e a trilha sonora me inspiram”, completou.
Além do e-commerce, as peças da marca estão disponíveis na Sable Chaud, em Paris. “Nossas peças estão à venda na loja em Paris, a convite do proprietário, que é focada em novos designers”, informou a estilista que tem como principal fonte de inspiração a arquitetura.
Sobre apoio a novos criadores, a estilista é enfática em afirmar a dificuldade e relatar os problemas do cotidiano. “O mercado de moda brasileiro é complicado para quem está começando. Vejo que estão surgindo alguns programas bacanas de incentivo a jovens criadores, mas ainda é para poucos. “Sobre as dificuldades, não conseguir comprar matéria prima em pouca quantidade por um preço justo, assim como não conseguimos produzir em pouca quantidade também, o que resulta no preço final das peças, que acaba subindo, consequentemente prejudicando as vendas. Sendo assim, para conseguir vender a um preço justo, temos que investir muito em tecidos, estamparia e produção desde o começo, porém sem a certeza do retorno”, relatou.
Yara ainda comentou sobre a tentativa de criar algo novo e o diferencial de sua marca. “Penso que realmente é muito difícil criar algo inovador depois de tantas décadas. Porém , hoje em dia, acho que algumas marcas continuam inovando de maneiras próprias, como em tecidos tecnológicos, novas estruturas de modelagem e estamparia digital. Criadores com Iris Van Herper, Alexander McQueen, Rei Kawakubo e Hussein Chalayan são minhas inspirações quando se trata de inovação”.
“Minha marca tem um foco comercial, porém procuro inovar dentro do básico masculino, uma camiseta da minha marca, por exemplo, sempre terá uma modelagem diferenciada, seja com recortes ou algum detalhe de modelagem diferenciada, já se for uma camiseta de modelagem básica, ela terá alguma estampa bacana, de preferência estampa digital corrida”, pontuou a designer.
A designer vê a moda como uma manifestação artística, no entanto, considera a sua marca um trabalho mais comercial. “Encaro alguns estilistas como verdadeiros artistas sim, principalmente os que citei acima (Iris Van Herper, Alexander McQueen, Rei Kawakubo e Hussein Chalayan) . Porém não encaro minha produção como arte, apesar de ter uma veia artística forte e de gostar de desenhar peças conceituais também, mas não são coisas que estão no projeto da DETLEV”.
A estilista se formou, segundo ela, em 2011 através do Centro Universitário SENAC em design de moda, mas, desde 2009 já estava no meio fashion, trabalhando como assistente de Mario Francisco, da Der Metropol, onde ficou até 2012. Yara ainda se especializou ou moda masculina e alfaiataria, na Central Saint Martins, em Londres, definida por ela mesma mesmo “como uma experiência incrível”. Após retornar ao Brasil, decidiu criar sua própria marca.
 
Confira as imagens do lookbook da marca, que pode ser encontrada no e-commerce.

Comments

comments