Exposição ‘Figurações’ acontece neste sábado, na Oficina Cultural Oswald de Andrade

Browse By

Image and video hosting by TinyPic

Máscaras, por Sérgio Amarante

A relação entre a Moda e a Imagem, a partir do ponto de vista conceitual e artístico, pode ser conferida na exposição “FIGURAÇÕES”, no próximo sábado, 15 de julho, a partir das 10h, na Oficina Cultural Oswald de Andrade, em São Paulo. A atividade é resultado do trabalho de 14 estudantes, em dois meses, no curso “Figurações do Tempo: relações entre Moda e Imagem”, coordenado e ministrado pelo pesquisador em Filosofia pela UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), Brunno Almeida Maia, pelo fotógrafo paulistano Gal Oppido, e pelo chapeleiro Eduardo Laurino (FASM – Faculdade Santa Marcelina).

A atividade gratuita inclui aula aberta sobre a Moda e a Fotografia nos séculos XIX e XX, com o Prof. Brunno Almeida Maia, e a performance “Gavetas”, do projeto “Amar (ante)”, do performer Sergio Amarante.

Image and video hosting by TinyPic

A Dança, por Robson Morales e Iago Ferrão

Para se inscrever para a aula aberta, que possui apenas 25 (vinte e cinco) vagas, basta enviar um e-mail com Nome, RG, Telefone e E-mail para contato para brunnoalmeidamaia@gmail.com. As demais atividades – performance e exposição – não necessitam de inscrição.

Com 84 fotografias, em tamanhos 10X15 e 30X45, “FIGURAÇÕES” tem a curadoria de fotografia de Gal Oppido e Iago Ferrão. A coletiva apresenta os olhares de jovens e veteranos artistas e fotógrafos como Andreza Aguida, Beatriz Gomes, Bronie Lozneanu, Fernanda Estima, Isadora Tortaro, Marta de Divitiis, Mauro Spolaor, Monica Rosa, Oscar Steiner, Regina Azevedo, Robson Morales, Rose Steinmetz, Saulo Vieira e Sergio Amarante, sobre a relação entre a vestimenta – como objeto de extensão do corpo – a imagem e a própria concepção de Moda. Além das fotografias, objetos-roupas, confeccionados nas aulas de Eduardo Laurino, compõem a concepção da exposição.

Na série de fotografias da modelo Andreza Aguida, prevalece o autorretrato e a criação de peças que se ajustam a qualquer parte do corpo; Beatriz Gomes, por seu turno, demonstra a influência da arquitetura em seu trabalho, por meio de questões referentes à abstração do corpo pela geometria e (de) composição; a atual discussão sobre as expressões e identidades de gêneros se redimensionam no feminino de Fernanda Estima, que revisita a figura mítica de Iemanjá, pertencente ao imaginário afro-brasileiro;Isadora Tortaro busca o “fim de processo”, alegorizado como um fio, no qual o tecido é o elemento da história, e o arame, o tempo; “Simulacro” de Mauro Spolaor está associado à simulação, à ação de simular, com a máscara como objeto privilegiado, numa captura imagética de um estado de ser, liberto de códigos, assumido de seu eu verdadeiro, sem representações.

Image and video hosting by TinyPic

Iemanjá, por Fernanda Estima

A Máscara-Samurai, os objetos-roupa inspirados, especialmente, nos vestidos-origami da coleção Nintai (paciência, em japonês) das uruguaias Mercedes Arocena e Lucia Benitez, a luminária-Sakura, objeto-casa, e a árvore dos desejos, objeto-orgânico, inspirada no Tanabata, tradicional festival japonês que acontece no mês de julho, são signos que compõem o trabalho de Regina Azevedo; a jornalista e produtora de moda Marta De Divitiis busca a representação do dualismo interno e externo, com a máscara e a gola, que pode se transformar em punhos ou chapéu, de linhas duras e geométricas; Monica Rosa inspira-se em referências da cultura popular, como as máscaras do Carnaval veneziano, e símbolos de poder como a coroa; Oscar Steiner busca o jogo de luz e sombras, em imagens como “Alice”, “LU” e “Retângulo”; o corpo humano e os seus dualismos, entre o sagrado e o profano, o feminino e o masculino, a carne-matéria e alma-espirito, se erotizam nas fotografias de Robson Morales; Rose Steinmetz busca referências na cultura queer, dialogada com o artista pop Andy Warhol, e as alegorias de Walter Benjamin, expostas no Angelus Novus; Saulo Vieira continua no âmbito da pesquisa em representações tridimensionais que tem como base sua formação como arquiteto. E, por último, Sergio Amarante se vale da perspectiva de um corpo masculino que busca reconhecer e entender o seu feminino presente.

“Figurações” é uma iniciativa do Projeto “A Literatura e a Moda”, Oficina Cultural Oswald de Andrade, POIESIS – Instituto de Apoio à Cultura, à Língua e à Literatura, Governo do Estado de São Paulo, Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, e apoios institucionais da TexPrima Loja Oficina e Baobá Comunicação Cultura e Conteúdo.


SERVIÇO

FIGURAÇÕES

OFICINA CULTURAL OSWALD DE ANDRADE

EXPOSIÇÃO/ AULA ABERTA/ PERFORMANCE

Coordenadores-ministrantes: Brunno Almeida Maia – UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), Gal Oppido (FAU USP – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP), Eduardo Laurino (FASM – Faculdade Santa Marcelina).

Autores: Andreza Aguida, Beatriz Gomes, Bronie Lozneanu, Fernanda Estima, Iago Ferrão, Isadora Tortaro, Marta De Divitiis, Mauro Spolaor, Monica Rosa, Oscar Steiner, Regina Azevedo, Robson Morales, Rose Steinmetz, Saulo Vieira e Sergio Amarante.

Data: 15 de julho de 2017, sábado, das 10h às 17h.

PROGRAMAÇÃO DA ATIVIDADE:

10h às 13h – Aula aberta “Moda e Fotografia nos sécs. XIX e XX”, com o Prof. Brunno Almeida Maia (UNIFESP – Universidade Federal de São Paulo).

14h às 14h15 – Performance “Gaveta”, com Sergio Amarante.

Ficha Técnica da Performance:

Performer: Sergio Amarante

Texto: Tassia cabanas

Direção Artística: Tati Sanches, Tassia Cabanas e Sergio Amarante.

14h15 às 17h – Exposição.

Atividade gratuita.

Endereço: Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro – CEP: 01123-001 – São Paulo – SP.

Telefones: (11) 3222-2662 / (11) 3221-4704/ (11) 3221 5558/ (11) 11 3222 9574/ (11) 3222 4683.

E-mail: oswalddeandrade@oficinasculturais.org.br

Site: http://www.oficinasculturais.org.br/unidades/?oficina=7

Funcionamento: Segunda a sexta das 9h às 22h e aos sábados das 13h às 21h.

 

Comments

comments